segunda-feira, 21 de maio de 2012

MÍDIA - Manipulação da opinião pública - Do blog Economia & Política

O filósofo americano Noam Chomsky fala, em uma de suas obras ("Visões Alternativas”) nas estratégias que o sistema (as elites sociais, políticas, econômicas e até religiosas) utiliza para manipular o pensamento das pessoas e assim conformar a opinião geral às suas ideologias. 1. A estratégia da distração - O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites sociais, políticas e econômicas. É o que Chomsky chama de "armas silenciosas para guerras tranqüilas”. 2. Criar os problemas e depois oferecer as soluções - Este método também é chamado de problema→reação→solução Cria-se um problema, uma "situação” prevista para causar certa reação no público, a fim de que este se torne "suplicante” (clamor) das medidas que se deseja implantar. 3. A estratégia da gradualidade - Para fazer que se aceite uma medida inadmissível, basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, num prazo alargado. 4. A estratégia do adiamento - Outra maneira de provocar a aceitação de uma decisão impopular é a de apresentá-la com "dolorosa e necessária” (o "cortar na carne”), obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. 5. Dirigir-se ao público com se ele fosse uma criança - A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos e imagens particularmente infantis, muitas vezes a roçar a debilidade (com desenhos, animaizinhos, criancinhas), como se o expectador fosse uma criança ou um deficiente mental. Um conhecido "âncora” da Rede Globo disse em off, que o brasileiro tem mentalidade de Homer Simpson. 6. Utilizar a emoção acima da reflexão -Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para injetar ideias, e mensagens. Isto acontece em comerciais de tevê, programas políticos, campanhas sociais, aulas e encontros de igreja, etc. 7. Manter o povo na ignorância, alimentando ideais medíocres - A qualidade da educação dada às classes socialmente inferiores deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância entre estas e as classes altas permaneça inalterada no tempo, e seja impossível alcançar uma autêntica igualdade de oportunidade para todos. 8. Estimular uma complacência com a mediocridade - A vulgaridade, incultura, e o ser mal-falado ou admirar personagens sem talento, estão na moda. 9. Reforçar o sentimento de culpa pessoal - Fazer crer ao indivíduo que ele é o maior (ou único) culpado por sua própria desgraça, por insuficiência de inteligência, de capacidade de preparo ou de esforço. 10. Afirmar que conhecem as pessoas melhor do que elas próprias -Os sistemas de informática "espionam” a vida das pessoas, usuários desses programas. Isto significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce controle e poder sobre os indivíduos, superior ao que eles pensam que realmente tem. No Adital COMENTÁRIO E & P Isso explica porque os tucanos em São Paulo têm o maior descaso com a escola pública, mandando a polícia espancar professores, pagando salários aviltantes, tíquete refeição de apenas R$8,00 e nenhum projeto pedagógico decente. O objetivo da imprensa é alienar o povo para ser dominado. Ela não age de acordo com o bem comum. Exemplo foi a Globo, Folha e Estado defenderem os juros altos praticados pelos bancos, o que vai contra o interesse público e a economia popular. Usam da desinformação para os interesses privados, como a defesa do estado mínimo que só leva a barbárie, de que o Estado é ineficiente e a empresa privada eficiente, apesar da GM ter de se comprada pelo governo dos Estados Unidos e dos péssimos serviços prestados pelas empresas de telefonia e energia no Brasil. A imprensa brasileira é essencialmente golpista, desde a década de 1950 vem conspirando contra governos trabalhista e democráticos eleitos pelo povo. Em 1964 estavam ombro a ombro com os militares que junto com o governo dos Estados Unidos acabaram com a democracia no Brasil. A Folha de São Paulo se deu ao requinte de emprestar as peruas para que brasileiros fossem presos, torturados e mortos pelo regime implantado por eles. Atualmente é eles agem em defesa dos tucanos. No dia 16 último houve o maior acidente de Metrô do Brasil, e a imprensa não ligou o nome do inepto governador de São Paulo, Geraldo Alckmin ao descaso que o transporte público vem sofrendo desde 1995, pelo menos. Alguns jornalistas quando o governo não é do PSDB se comportam como hienas, quando acontece algo grave, eles trabalham nas rádios Jovem Pan, CBN e Bandeirantes. No acidente do Metrô ficaram calados, cadê a indignação com os feridos pela inépcia do governo Alckmin? São aliados de carteirinha. Desinformam o povo paulista que votam nos tucanos desde 1994 por não conhecer os fatos ruins dos governos tucanos. Irregularidades em licitações, desvios, má conduta, incompetência. Além do alinhamento de direita da imprensa paulista, o governo do Estado compra assinaturas de jornais, revistas e põe propaganda na televisão no intervalo dos jogos. A imprensa brasileira não defende os interesses do Brasil. No caso do acidente do Boeing da Gol, causado por dois desastrados pilotos estadunidenses, vários jornalistas saíram na defesa deles. O relatório do CENIPA provou que a maior causa foi o descaso com que os pilotos sobrevoaram os céus do país. A sociedade precisa conhecer e discutir melhor e imprensa, principalmente depois do conluio da Veja com o crime organizado, para tentar desestabilizar o governo federal.

26 comentários:

Guilherme Milano disse...

A midia também foi julgada. A grande imprensa foi incluida no rol definitivo daqueles que querem continuar a enganar. E o povo sabe. Sabe quem rouba mais nas pequenas cidades e esse conhecimento, em termos coletivos, se espalha pelo conjunto da sociedade. O povo sabe que o mensalão foi o uso da justiça para enganar. Só que a prepotencia de achar que os outros não intuem a verdade, não tem sabedoria, leva a esses resultados. Que tal a elite repensar seus valores, ser substituida por gente mais solidária e essa mídia ser eleiminada do mercado pelo lixo em que quer nos transformar? Como qualquer produto ou serviço imprestável. Bem capitalisticamente falando.

Giovanna Huese Santucci disse...

O que se espera da mídia na realidade são os acontecimentos reais e claros, na linguagem acessível até mesmo as classes sociais mais baixas, mas diferente disso, percebemos, que as informações são jogadas da forma que convém chegar ao entendimento de todos. Muitas vezes distorcidas e omitidas na sua integra. O poder de convencimento é real e poderoso, fazendo-se acreditar naquilo que é apresentado. Muitas vezes o uso de táticas como aplicação de forma infantil, e de linguagem popular, dão a sensação da verdade nos fatos apresentados. A informação faz com que junto ao clamor social, movimentem um acontecimento de forma tamanha que a verdade fique no obscuro, se fazendo valer do que se acredita e não do conhecimento profundo e efetivo. A opinião pública, segundo Sidinéia Gomes Freitas, se resume da influência que o público recebe das informações obtidas através dos meios de comunicação e do sistema social do país, de uma comunidade, seja de caráter político ou não.

Murillo Grant disse...

Acho que o papel da imprensa é apresentar os fatos, independentemente de se irá ferir seus parceiros políticos ou não. Não é de hoje que a sociedade simplesmente aceita o que é veiculado pelos meio de comunicação e massa, sem ao menos se questionar se a informação está correta ou completa.
A verdade é que os grandes da comunicação estão preocupados em se elitizarem cada vez mais, e cada vez mais vir a enganar o povo brasileiro. Que deixemos de ser facilmente manipulados, e que passemos a ter voz ativa na sociedade, dividindo nosso ideais afim de um Brasil melhor.

Antonio Amaral disse...

O grande problema não é a aceitação da população quanto as informações e sim o que leva essa população à não questionar as mesmas. O Brasil é um país pobre em educação, o que facilita a imposição da mídia no cenário nacional. A mídia ao invés de utilizar sua força para melhorar o país, ela maquia os verdadeiros valores e transmite aquilo que os interesses das grandes corporações julgarem apropriado. Vivemos em uma fantasiosa democracia.

Provos Brasil disse...

De certa forma compactou com os quatro comentários, poderia até questionar alguns pontos, mas isso não se faz necessário.

Vejo a mídia brasileira com muita desconfiança com muita mesmo, sem partidarismo, acho que o Mensalão é um fato político e juridicamente frágil, já que muitos juristas por aí estão criticando as decisões do STF.

A questão da “influência e manipulação” da mídia para o grande público é bem clara e objetiva, como disseram aí, é uma questão cultural de pura instrução, falta a tal educação, isso não tem, e é fato de longa data.

O caso do Policarpo é essencial nesta questão, a mídia (corporativa) se fechou, e vão lutar até o fim com todas as suas armas, e sabemos que os barões da comunicação brasileira estão em apuro$$$ no quesito grana, e não vão abrir mão dos bolso$$$ de muitos por aí...

Obrigado pela participação!

Provos Brasil

Pedro Teixeira disse...

Vivemos num ciclo de interesses, cada um busca o que realmente lhe interessa. A mídia atende a essa linhagem, busca atender aos seus interesses, mas aí vem a pergunta, isto é correto? Esperamos da mídia a realidade, a partir do momento que já não somos mais atendidos, a mídia não está exercendo seu papel, e passando por cima do seu maior interessado o publico.
A sociedade precisa selecionar quem ou quais veículos atendem a sua necessidade, e chegam próximo da sua verdade. Afinal quem defini a mentira e a verdade, somo nós, formadores de opinião, que devemos estabelecer nossos objetivos, e aí sim evitarmos nossa auto-manipulacão.

Giovana Steinmeyer disse...

A mídia tem influenciado todas as pessoas de todas as classe sociais, segundo James Bryce, cada individuo toma uma posição em relaçao , mas para ele isso só ocorre com quem tem o livro acesso a informação. A opinião contraria a opinião pública acaba por não existir, devida a falta de "voz" de uma minoria.
Não são todos que possuem a mesma opinião, é uma mistura de diversos pontos de vista, e nem sempre a opinião publica representa a maioria.

Júlia Arbex disse...

“ A imprensa brasileira é essencialmente golpista, desde a década de 1950”. É preciso ter bons estudos e educação para saber que a mídia, desde sempre, tenta nos manter distraídos em relação aos assuntos importantes, como de ciências, política e economia. É preciso conhecer pelo menos um pouco sobre os veículos para repararmos quando mudam a entonação nos debates, por exemplo. São sempre de forma infantil, superficial e emocional. Isso se dá pois aqueles que não sabem disso - a massa - já espera que tudo vai ficar bem e depois tudo vai melhorar/resolver.
O que nos resta fazer é tentar sempre conhecer, procurar nos informar mais e mais para que nada nos deixe influenciar.

Mariana Saad Masotti disse...

A informação chega no ouvido dos telespectadores, ouvintes e outros, da maneira como a mídia deseja. Muitos assuntos são desviados de nossa atenção, e substituídos por assuntos de distração. O importante e essencial é sempre se manter informado e atualizado sobre o mundo, ficar atento ao canal que emite a informação. É preciso abrir a mente e entender que transmitir conteúdo está muito além de popularidade, elitização e etc, é uma questão de educação, e ter conhecimento é de extrema valorização.

Beatriz Branco disse...

Eu acredito que não é falta de informacão que o público apresenta, mas sim uma falta de interesse, de curiosidade para questionar o que está sendo dito à ele. O público opta por aceitar "de olhos fechados" o que está sendo reproduzido nas grandes redes, mesmo que não sejam verdades. Acho que os meios de comunicacão só possuem a possibilidade de "enganar" o publico, porque ele mesmo abaixa a cabeca para que isso aconteca, uma vez que questionar algo gera muito mais trabalho do que simplismente aceitar. Apesar de concordar que exista um certo abuso por parte das mídias, acho que o grande culpado de isso ser possivel é o povo brasileiro

Camila Boni disse...

A mídia com o seu poder de persuasão consegue influenciar em todos os aspectos da vida do ser humano, as pessoas espelham-se em estereótipos impostos através dos meios de comunicação. As propagandas transmitidas na TV, impressas nos jornais, na internet ou mesmo no rádio conseguem transmitir uma imagem que irá refletir no comportamento de cada um que está tendo contato com o meio.

Hoje as pessoas seguem aquilo que “está na moda”, o que é imposto pela mídia: seja um corpo bem definido e esquelético, ou mesmo através do consumo de produtos de grifes famosas, transformando o seu habito pela busca do desejo e consumo exagerado.

A função da mídia é informar a população de maneira ética e verdadeira, independente dos seus interesses particulares. Os meios de comunicação de massa devem isso à todos.

O importante é entender o que as mídias sociais podem causar na vida das pessoas.

Yago Oriani disse...

Desde a época da ditadura brasileira, a mídia se tornou parte da opressão popular. A omissão por parte de alguns veículos de comunicação de massa para alguns fatos ocorridos no país deixa isto bem claro.
A manipulação por parte do governo persiste em pleno século XXI. Enquanto ocorria o julgamento de um dos maiores fiascos da política brasileira, o mensalão, a revista veja na mesma semana pública uma matéria de capa com a indagação da novela: carminha x nina.
Podemos levar a sério está parte da mídia ou precisamos "peneirar" as fontes de informações relevantes?
A grande massa por não ter recebido uma educação que um ser humano merece, fica difícil a indagação destes fatos.

Daphne Ruivo disse...

Como ja dito no texto “O objetivo da imprensa é alienar o povo para ser dominado”, e é isso que a teoria hipodermica explica. Ela remete a ideia de que as informaçoes são injetadas nas pessoas, com uma agulha, e aceitamos passivamente. A teoria de meios de comunicação de massa também se encaixa, pois explica que os veículos de cominucação bombardeiam nossas mentes e formam nossos lares e criançar, criando assim a domicação sobre nós, telespectadores. A mídia e meios de comunicação sempre usam a manipulação para conseguir o que quer e raramente informa a realidade, mesmo contra a própria vontate. Triste, porém é a realidade.

Nathalia Felicio disse...

A mídia apresenta-se como algo grandioso, positivo, indiscutível e inacessível, onde tudo o que é dito por ela, é considerado verdadeiro, sem nenhum tipo de questionamento por aqueles que estão recebendo aquela informação. O grande erro está na aceitação daquilo que a mídia nos diz.
Somos completamente manipulados pela mídia. Se pegarmos a programação da Rede Globo por exemplo, temos uma novela "fantasia" e depois um jornal de notícias que nos trariam de novo a realidade, e logo quando recebemos toda aquela informação, voltamos para a "fantasia". Nos deixando cada vez mais passivos perante a toda a realidade ou quase realidade que a mídia nos fala.
Somos controlados por ela sem perceber, o que fica cada vez mais difícil escapar dos efeitos que ela nos traz.

Gabriel Arvate disse...

Penso que a função que a mídia tem é mostrar os fatos da maneira que eles são. Independentemente das opiniões dos outros. A muito tempo as pessoas não veem o mínimo problema com aquilo que é transmitido pelos meios de comunicação, e alem disso elas não buscam um algo mais, desse jeito que a mídia expressa está satisfatório. O que realmente acontece em nosso país é um jogo de interesses onde a elite que define um certo e um errado, praticamente manipulando aquilo que é passado pra sociedade e cada vez mais enganando-a. Um modo de impedirmos isso é, todos indo atrás de seus direitos dentro da sociedade brasileira para conquistarmos uma igualdade entre todos nessa sociedade.

Daniella Gemignani disse...

O grande problema da mídia é que, muitas vezes, ela deixa de cumprir o seu papel de informar ao público, para agir de acordo com seus próprios interesses políticos, econômicos, enfim. Isso acontece, basicamente, porque a mídia desde o começo de sua existência, sempre precisou de incentivos financeiros para se desenvolver. Acabando assim por ficar dependente de poucos privilegiados.
Mas não podemos esquecer, que nem sempre a opinião pública representa a maioria. Na realidade, ela só mostra, de fato, aquele que tem maior voz na sociedade. O grande problema é que, a partir dessa opinião é que surgem as ações, que de fato podem mudar a sociedade.

Marcela Quintella disse...

Acho que cada dia que passa, mas as pessoas não sabem o que que é o real. O desinteresse por assuntos importantes como política, economia, e outros, não são mais discutidos por jovens.
A cultura da mídia se tornou dominante, substituiu as formas de cultura elevada e suas formas visuais e verbais estão suplantando a cultura livresca e exigindo novos tipos de conhecimento para decodificá-la.

Gustavo Netto disse...

No que diz respeito às desvantagens da mídia impressa, pode-se citar: a interatividade é mais difícil de ser conseguida; a informação é apresentada seqüencialmente não sendo possível acessá-la globalmente; a impressão colorida encarece os custos; é mais difícil alcançar a motivação e manter a atenção do usuário.
Um aspecto importante a ser considerado pelas instituições que elaboram mídias impressas é o tempo de preparação, certos materiais bem elaborados envolvem grandes equipes e demandam muito tempo para sua produção. Perante da pressão dos prazos curtos de entrega nem sempre é possível levar em conta toda a complexidade de fatores envolvidos na elaboração de materiais educacionais.As propagandas transmitidas na TV, impressas nos jornais, na internet ou mesmo no rádio conseguem transmitir uma imagem que irá refletir no comportamento de cada um que está tendo contato com o meio.

Rita Dawalibi disse...

A mídia de hoje está transmitindo as informações de forma simples e clara para as pessoas. Desta forma,
muitas vezes apenas o que querem é informado, e não tudo o que acontece na sociedade. A população brasileira está cada vez mais influenciada pela mídia. Ela está seguindo todas as "regras" indiretamente impostas pela mídia que está mais preocupada com a influencia sobre as pessoas do que com o seu papel, que é informar, sem se preocupar com emoção, status ou qualquer outra coisa. Os meios de comunicação de massa muitas vezes parecem não estar cumprindo o seu papel, e estão apenas influenciando as pessoas em relação ao modo de vida

Luiza Cavalcanti disse...

O papel da mídia é informar a todos o que esta acontecendo. Sem julgamentos e de forma clara. É assim, pelo menos na teoria.
Infelizmente vivemos em um mundo onde vemos diariamente jornalistas e veiculos que transmitem os fatos e acontecimentos de acordo com os seus proprios interesses. Uma pessoa desinformada que lê essas materias acaba formando uma opiniao errada e tendenciosa sobre determinado assunto.
A cada dia que passa temos mais tecnologia, mais meios de informaçao, e ao contrario desse desenvolvimento, o interesse das pessoas pelos fatos reais esta diminuindo. As pessoas nao vao atras de outras fontes e pontos de vista. Para elas, aquilo que viram ou leram uma só vez em um determinado lugar já basta.
Nao podemos esquecer que quando um grande veiculo divulga uma noticia tendenciosa, de acordo com o seu ponto de vista, nao significa que essa é a opiniao da maioria. O que acontece é que por ser um grande veiculo, vai acabar influenciando muitas pessoas desinformadas.

Manuela Rached Pereira disse...

“O objetivo da imprensa é alienar o povo para ser dominado. Ela não age de acordo com o bem comum.”
A ideia por trás do texto mostra que isso tudo faz parte de um ciclo, ‘um ciclo vicioso’ bem simples de ser compreendido(e triste de ser aceitado), que favorece a elite e desfavorece os “burros”.
O governo não investe em educação de qualidade, consequentemente os que não recebem dessa educação, ficam de olhos vendados para a realidade do país. Portanto, ta aí uma boa oportunidade que a mídia tem de mascarar a realidade sociocultural, política e econômica do país, e defender a cima de tudo (e todos), seus privilégios(concebidos pela elite/estado/publicitários). Ela não faz questão de enxergar a grande massa da população ingênua colocada diante de seus olhos, que tanto dela precisa.
A oportunidade existe, e a grande mídia opta por utilizar dela, esbanjando falsas informações e emitindo fatos, descaradamente, na face do povo brasileiro.
Como cidadãos ativos, devemos começar a apurar melhor os fatos e discutir o que deve ser feito daqui pra frente, para nos vermos livres dessa falsa democracia nacional e ficarmos um passo a frente da grande elite brasileira individualista.

Maha Assaf disse...

O que realmente acontece na mídia é que ela, muitas vezes, esquece de fazer o que ela realmente deve, que é informar ao seu publico o que acontece na sociedade. Mas ao invés disso a mídia atua de modo onde ela trata apenas de questões que favorecem os seus próprios interesses, sejam eles econômico, políticos, mundiais, etc.
Esse acontecimento não é de hoje, mas sim desde que a mídia nasceu e precisou de investimentos financeiros de empresas fortes no mercado para poder virar o que ela é hoje. Esse fato faz com que a mídia acabe optando por falar o que ela quer.
Mas o que não pode ser esquecido é que nem sempre a opinião do público remete a maioria, pois na verdade ela mostra apenas que a maior mídia tem maior influencia na sociedade.

Chimene Araujo disse...

Em 1993 tivemos uma tentativa de denúncia por meio do documentário Além do Cidadão Kane, produzindo pela BBC de Londres e proibido no Brasil. Trata-se das relações da Rede Globo de televisão, Roberto Marinho, o poder que a TV tem sobre as pessoas e as relações políticas da emissora desde a ditadura.
Os meios de comunicação de massa tem sim o poder de alienar seu público. Mesmo na era dainternet, a TV desenvolve números de audiência muito grande é atribuída como uma espécie de entretenimento para as pessoas de baixa renda. O fato dessas pessoas não terem acesso a uma boa educação e acesso a cultura, para discernir o que podem ou não absorver, favorece a mídia jornalística que tem o papel de informar, mas grande parte hoje tem o viés comercial falando mais alto e pública aquilo que pode chamar mais atenção.

Thobias Marchesi disse...

Segundo visto nas teorias dos Estudos Culturais, a mídia atua da maneira que for mais conveniente para ela e para seus interesses. É possível perceber que o texto publicado no blog trata deste assunto ao abordar a manipulação da opinião pública por parte daqueles que controlam a mídia. Essa manipulação se dá por interesses da própria mídia, ao buscar vantagens futuras, talvez.

Beatriz Barros disse...

A mídia desde que foi formada deixa a desejar com seu papel: informar. O ato de transmitir de fato os conteúdos perdeu espaço para os interesses pessoais no qual proporciona maior renda, e querendo ou não, a questão financeira acaba tornando-se mais dominante. As informações passam a ser absorvidas sem um julgamento, e assim, passam a criar estruturas que manipulam a sociedade. Associada a isso, está a questão de que a mídia não mostra de fato a opinião pública com uma maioria, e sim aquela que tem maior poder e influência. Todos esses fatores podem estar ligados também ao fato do desinteresse por parte da população em saber o que realmente está acontecendo. A praticidade e o comodismo com que a mídia foi se desenvolvendo, facilita o acesso às informações, o que não necessariamente é algo positivo, já que isso acarreta em uma grande quantidade de assuntos, mas que muitas vezes podem não ser verdadeiros. A credibilidade passa a ser questionada nesse ponto.

Ensino,religião e política. criticas. disse...

Vivendo para consumir.
Todos nós brasileiros e também todos que vivem em países onde impera o consumismo acontece a mesma coisa, o cidadão estuda, se esforça para aprender uma profissão para ganhar mais e levar uma vida tranqüila sem nenhum problema financeiro. Podemos pensar, quem ganha bem está tranqüilo sem problemas em suas finanças, ledo engano, porque á medida que o cidadão consegue aumentar seu ganho, automaticamente induzido pelo consumismo seus gastos também se multiplicam. Sendo assim a paz e a tranqüilidade que era o objetivo inicial cai no esquecimento, a partir daí induzido pela mídia a pessoa entra em um consumismo exagerado, para comprar e participar de tudo que a mídia os induz a fazer. O cidadão precisa trabalhar como um burro de carga, sendo assim, quem trabalha demais não tem tempo de desfrutar pelo menos um pouco de paz e tranqüilidade. A partir daí a vida se torna um suplicio interminável, pois a ordem é ganhar e gastar até o fim da vida. Quando perceberem o erro já será tarde, estarão com os cabelos brancos, os rostos enfeitados com rugas, braços e pernas enfraquecidas e total indisposição.
Como evitar este estado de coisa, temos que policiar o nosso desejo de consumo, pois nem tudo que consumimos nos traz felicidade, muitas coisas são supérfluas e sem nenhum sentido prático, para isso temos que usar o bom senso, a razão e não se deixar levar pelas propagandas veiculadas pelas televisões, rádios, revistas e jornais. Nossa vontade, nossa vida tem que ser dirigidas por nós e não por terceiros a seu bel prazer.
Paulo Luiz Mendonça.