terça-feira, 1 de junho de 2010

Estado Assassino: Israel: novo massacre humanitário? - Por Emir Sader

Israel: novo massacre humanitário?

Os capítulos da história são tão claros, quanto dramáticos. Primeiro os judeus obtêm a aprovação da ONU para a construção do Estado de Israel. Para isso expulsam milhões de palestinos que ocupavam a região. Em seguida, aliados aos EUA, impedem que o mesmo direito, reconhecido igualmente pela ONU, seja estendido aos palestinos, com a construção de um Estado soberano tal qual goza Israel.

Depois, ocupação dos territórios palestinos, militarmente, seguida da instalação de assentamentos com judeus chegados especialmente dos países do leste europeu, recortando os territórios palestinos.

Não contentes com esse esquartejamento dos territórios palestinos, veio a construção de muros que dividem esses territórios, buscando não apenas tornar inviável a vida e a sustentabilidade econômica da Palestina, mas humilhar a população que lá resiste.

Há um ano e meio, o massacre de Gaza. A maior densidade populacional do mundo, cercada e afogada na sua possibilidade de sobrevivência, é atacada de forma brutal pelas tropas israelenses, com as ordens de que “não há inocentes em Gaza”, provocando dezenas de milhares de mortos na população civil, em um dos piores massacres que o mundo conheceu nos últimos tempos.

Não contente com isso, Israel continua cercando Gaza. Um ano e meio depois nem foi iniciado o processo de reconstrução, apesar dos recursos recolhidos pela comunidade internacional, porque a população continua cercada da mesma maneira que antes do massacre de dezembro 2008/janeiro 2009. As epidemias se propagam, enquanto remédios e comida apodrecem no deserto, do lado de fora de Gaza, cercada como se fosse um campo de concentração pelas tropas do holocausto contemporâneo.

Periodicamente navios tentavam levar comida e remédios à população de Gaza, chegando por mar, de forma pacífica, mas sistematicamente eram atacados pelas tropas israelenses. Desta vez a maior comitiva internacional de paz, com cerca de 750 pessoas de vários países, se aproximou de Gaza para tentar romper o bloqueio cruel que Israel mantêm sobre a população palestina. Foi atacada pelas tropas israelenses, provocando pelo menos 19 mortos e várias de dezenas de feridos.

Quem representa perigo para a paz na região e para a paz mundial? O Irã ou Israel? Quem perpetra massacres após massacres contra a indefesa população palestina? Quem impede que a decisão da ONU seja colocada em prática, senão Israel e os EUA, bloqueando a única via de solução política e pacifica para a região – o reconhecimento do direito palestino de ter seu Estado? Quem comete os piores massacres no mundo de hoje, senão aqueles que foram vítimas do holocausto no século passado e que se transformaram de vítimas em verdugos?

Fonte: http://www.cartamaior.com.br/

2 comentários:

Anônimo disse...

VIVA A PALESTINA E GUERRA AO ESTADO ASSASSINO !

Esastronomer disse...

Ah, se fosse assim.
A única democracia existente no Oriente Médio é o estado sionista. O único país que os repórteres de todo o mundo consideram livres para a imprensa no Oriente Médio é Israel. O único país que estendeu a mão, tanto no momento de sua criação como agora, aos seus vizinhos foi Israel. A única união que houve entre os estados árabes da região foi durante as grandes guerras contra Israel. Fora isso, massacres contra outras etnias, como os curdos. A interminável guerra entre xiitas e sunitas. O Irã nem mesmo é um estado árabe, é persa, mas é um estado fundamentalista islâmico que mandou matar vários opositores ao governo. É fácil culpar Israel pelo que ocorre na região, mas é mais fácil esquecer que o "estado" que lança mísseis constantemente sobre o outro é a Faixa de Gaza. Os ditos palestinos sequer são um povo próprio: são árabes que viviam na região, depois que os romanos expulsaram os judeus de lá, dois mil anos atrás.

por favor, deixe seu racismo de lado, use seu cérebro e entenda que o que acontece naquela região deve-se, majoritariamente à negação de paz por Arafat, Abbas, Fayyad e outros. E não vale usar o argumento do presidente Lula, que demonstra completa burrice: "O Brasil é um exemplo de união com os Estados vizinhos". Pelo amor de D'us, querer comparar a América Latina com o Oriente Médio demonstra duas coisas: ignorância em geografia e completo desconhecimento da situação na região.

Voltem à racionalidade!